Lia Clark revela que conversas sobre parceria com Wanessa começaram no Festival Milkshake

lia clark wanessa
(FOTO: Divulgação)

Um dos principais nomes LGBT do cenário fonográfico brasileiro, é, sem dúvidas, Lia Clark. A jovem cantora acaba de lançar seu mais novo single ‘Bumbum no Ar’, com direito a videoclipe com participação especial de Wanessa Camargo. A música já ultrapassou mais de meio milhão de visualizações no youtube. Em entrevista ao Observatório G, Lia falou sobre a ideia de convidar a cantora pop para o projeto, representatividade e uma possível transição do funk para o pop.

VEJA TAMBÉM: Em novo clipe, Wanessa e Lia Clark visitam político homofóbico no hospital

Confira a entrevista com Lia Clark abaixo:

Como surgiu a parceria Lia/Wanessa?

“A Wanessa tem 20 anos de carreira e eu, por exemplo, antes de começar a me montar, quando eu comecei a sair para boates, ela estava começando a turnê ‘Balada’ e eu era uma das gays que estava lá, gritando e acompanhando. Para mim tudo isso é muito surreal, foi uma coisa muito do nada. Estou produzindo meu primeiro CD e surgiu essa música que eu escrevi junto com meus amigos e decidimos que precisávamos da presença de uma cantora pop. E nesse mesmo momento eu estive no Festival que ela, que foi o Milk Shake, aqui em São Paulo, que ela também estava. Nós conversamos durante a coletiva de imprensa e depois mandei uma mensagem pra ela através do instagram, apresentei a ideia e rolou, ela foi super simpática, me enviou whatsapp, conversamos e aconteceu.”

Representatividade

“Eu me sinto muito feliz porque eu me coloco no lugar das pessoas que vem crescendo nessa cena. Quando era menor, eu era uma criança afeminada, não tinha essa representatividade na minha vida. Eu não tinha referências, não via drag e nem gay afeminado na televisão, nem na internet e nem em lugar nenhum. Hoje em dia eu recebo mensagens de crianças de 13 e 14 anos falando que sofrem na escola com o bullying. A gente dá força porque mostramos que podemos lutar contra isso. As pessoas precisam enxergam que elas podem ser o que elas quiserem.

VEJA TAMBÉM: Fãs resgatam entrevista de Ivete Sangalo sobre posicionamento político

Transição do funk para o pop

Na verdade eu comecei no universo musical muito do nada. E eu comecei a abraçar o funk aos poucos, fiz meu primeiro EP 100% focado no funk. Quando eu vi uma oportunidade de fazer um álbum, resolvi não fazer um com faixas só de funk. Abri minha cabeça, fiz aula de canto para fazer algo mais melódico e as musicas foram surgindo. Tem músicas pop, tem música um pouco mais rap, tem música mais verão, tem funk. Eu escuto essas músicas todos os dias e estou muito ansiosa. É muito diferente de tudo o que já fiz. Não que eu vá para o pop ou que eu seja do funk. Eu sou uma artista versátil.

Futuras parcerias

Atualmente eu estou trabalhando com vários produtores. Estou realmente abrindo o leque de parcerias e estou conversando com muita gente para participar do meu álbum. Quero muito minhas amigas drags, quero o pessoal do funk raiz para mostrar que as drags também fazem funk. É tudo uma caixa de surpresa que eu estou louca para abrir.

Por Cadu Safner

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here